segunda-feira, 4 de agosto de 2008

SCHISTOSOMA MANSONI

AGENTE ETIOLÓGICO:

  • Schistosoma mansoni

CONSIDERAÇÕES GERAIS:


  • Parasita não cosmopolita;
  • Nome vulgar: barriga d’água
  • O caramujo de importância epidemiológica na transmissão dessa doença é do gênero BIOMPHALARIA.

DESCRIÇÃO DO PARASITO:

MACHO:

Ø CORPO: fendido, com duas ventosas (uma oral)

Ø FORMATO: corpo achatado, dobrado em torno de seu eixo, formando um canal, no qual a fêmea se aloja e é fecundada por um banho de esperma, pois o macho não possui órgão de cópula.

Ø TAMANHO: 1 cm /12mm

FÊMEA:

Ø TAMANHO: 1,5 cm

Ø CORPO: tegumento liso com formato cilíndrico e afilado nas duas extremidades.

Ø COR: esbranquiçada










OVO:

Ø TAMANHO: 112 a 170 µ por 50 a 70 µ

Ø FORMATO: oval com espícula lateral (C.P.)

Ø COR: castanho-amarelada

Quando o ovo entra na água rompe a casca e libera o miracídio.









MIRACÍDIO:


  • Encontra-se dentro do ovo;
  • Tegumento recoberto de cílios.
  • Possui células germinativas que dão origem às cercarias.
  • Possui vida livre natante e não se alimenta;
  • CORPO: divide-se em cauda bifurcada e corpo;
  • TAMANHO: 500 µ (300 µ de cauda e 200 µ de corpo).

















HABITAT:

  • Sistema porta, veias mesentíricas do plexo hemorroidal.

CICLO BIOLÓGICO (herteroxênico):


  • Ovos veiculados para o meio externo através das fezes;
  • Estes ovos na água liberam miracídio, que penetram no caramujo (Biomphalaria – espécie endêmica da nossa região é a GLABLATRA), cada miracídio libera 10.000 cercárias (forma infectante do Schistosoma mansoni);
  • Cercárias eliminadas na água;
  • Cercárias penetram na pele;
  • Desenvolvem-se no sistema porta, transforma-se macho e fêmea adulto;
  • Casais de S. mansoni alcançam plexo hemorroidal;
  • Fêmeas põem ovos na submucosa do plexo hemorroidal, 8 a 10 dias com miracídio formado.

MODO DE TRANSMISSÃO:

  • A transmissão se dá exclusivamente pela penetração ativa da cercaria na pele e na mucosa.

DIAGNÓSTICO:


  • Exame de fezes para procura de ovos;
  • Intraderme reação de imunofluorescência (faz a reação na pele e coloca lâmpada florescente, reagindo, tem ou teve contato).

PATOGENIA E SINTOMATOLOGIA:

Ø CERCÁRIA:

  • Por penetrar a pele, provoca dermatite cercariana, conhecida como coceira de nadador (pontadas, vermelhidão e coceira).

Ø VERME ADULTO:

  • Aumento do baço
  • Febre
  • Sintomas pulmonares
  • Lesões do fígado
  • Obstrução dos vasos periféricos intra-hepáticos.

Ø OVOS:

  • Não sendo expulsos voltam ao fígado, causando hemorragias, edemas, lesões, etc.

ESQUISTOSSOMOSE AGUDA:

  • Hepatite aguda;
  • Mal estar, tosse, febre, diarréia;
  • Esplenomegalia (aumento do baço).

ESQUISTOSSOMOSE CRÔNICA:

  • Diarréia com muco sanguinolento;
  • Dor abdominal
  • Retração da cápsula hepática;
  • Esplenomegalia;
  • Hepatoesplenomegalia (aumento do baço e fígado).

PROFILAXIA:

  • Destruição do verme;
  • Destruição dos ovos (fossas e esgotos);
  • Destruição das cercárias;
  • Destruição dos caramujos;
  • Produtos químicos usados no combate da esquistossomose: Fiocrex e Baylucide; e produtos biológico: criação de marrecos, patos e peixes.



Um comentário:

paulo diego couto silva disse...

Sou Técnico de patologia clinica e curso Farmácia, e seu Blog me ajudou muito em um trabalho na faculdade este semestre obrigado e parabéns